Por que alguns “homens modernos“ estão parados no tempo?

O problema de quem nasceu na década de 80 é achar que o mundo começou em 1990… E assim sucessivamente.

É interessante notar como algumas pessoas levantam problemas ou questões na tentativa desesperada de justificar o seu ressentimento para com a Cristandade (não só contra a Igreja Católica, mas a qualquer ideia de religião) ou como uma forma de legitimar sua falta de Virtude. Acredito que essas pessoas acham que o mundo começou logo após elas nasceram e, portanto, todos os problemas e hipóteses levantadas por elas são inéditas e conclusivas. As redes sociais potencializaram essa difusão de ineditismo, fazendo com que teorias esdrúxulas sejam perpetuadas, ganhem adeptos e seguidores.

A Igreja possui 3 pilares, como dito na reflexão passada (leia aqui). São eles: a Sagrada Escritura; a Sagrada Tradição e o Sagrado Magistério. Este último refere-se a unidade de Igreja e o depósito da fé. É o pilar que garante a integridade da Igreja na defesa da Verdade revelada, ensinada por Jesus Cristo, pelo testemunho de Pedro (o primeiro Papa) e dos Apóstolos (os primeiros Bispos). Durante séculos heresias e falsas interpretações do Evangelho foram surgindo e sendo refutadas, uma após outra. Quando nos afastamos dos conhecimentos depositados neste Magistério começamos a trilhar um caminho perigoso, que nos garante a perdição da alma.

O problema é que hoje em dia surgem cada vez mais pessoas que usam de pensamento herético para justificar o seu ódio ao Divino. O que faz alguém nos dias de hoje se questionar sobre a existência de Deus? Só mesmo a falta de conhecimento do que já foi tratado dentro da história sobre o caso.

Se você é Cristão é urgente a necessidade de conhecer a história, fundamentos e documentos da Igreja para o seu crescimento espiritual. Faz parte do primeiro mandamento: “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todas as tuas forças.” conforme explicou o próprio Jesus (Deuteronômio, 6: 5). Não se pode amar a Deus sem conhecê-lo, sem querer estar em sua presença em oração, sem escutar a sua palavra e os ensinamentos da sua Igreja, depositados no seu Magistério. Quando você não conhece de onde vem uma ideia que você professa não é capaz de ver o fio que te prende a ela.

Se você conhece algum “moderninho” que usa frases como as citadas abaixo, talvez esteja na hora de falar com ele que o mundo não começou quando você nasceu.

 

“Jesus Cristo era um homem normal“

A ideia de que Cristo tinha apenas a natureza divina e não Divina E Humana não é novidade. Ela caracteriza o Eutiquianismo que está em desacordo com o que a Igreja prega desde o Concílio de Calcedônia (ano 451), que sustenta que Cristo tem duas naturezas, uma divina e uma humana na mesma pessoa. Eutiques foi excomungado no ano de 448. Até hoje vemos em programas de debates quererem separar o Cristo “Histórico”  (a pessoa) do Cristo “Teologico”.

Portanto, esse argumento foi refutado há uns 1.500 anos… Mas você ainda vê pessoas acreditando nele.

 

“A matéria é má!”

O mundo físico é, muitas vezes, caracterizado como uma realidade má. Essa ideia nasce de uma visão gnosticista. Essa visão é contra o próprio ensinamento Católico não só por desvirtuar a criação de Deus, que “(…) contemplou toda a sua obra, e viu que tudo era muito bom” (Gênesis 1,31), mas também na pré-condenação da encarnação humana. Sendo a criação má em si, a própria encarnação de Jesus deveria ser a encarnação em um ser “mau”, logo a redenção não seria possível. O gnosticismo foi uma ideologia perigosa e é responsável por diversas outras heresias que são espalhados até hoje. Eles são combatidos pela Igreja desde o século primeiro. São Irineu, que na sua obra Adversus Haereses (Contra as Heresias) do ano 180 já rebateu os argumentos desta ideologia.

Portanto, esse argumento foi refutado há uns 1.800 anos… Mas você ainda vê pessoas acreditando nele.

 

“Cristo não era Deus e sim uma criatura feita por Deus.”

Talvez umas das maiores heresias criadas. Trata de uma visão difundida por uma heresia conhecida como Arianismo, do século 4. Ela foi condenada no ano 325 pelo Primeiro Concílio de Nicéia, o qual definiu a divindade de Cristo. No ano 381 o Primeiro Concílio de Constantinopla definiu a divindade do Espírito Santo. Esses dois Concílios deram origem ao Credo Niceno que, nós Católicos, recitamos nas Missas Dominicais.

Portanto, esse argumento foi refutado há uns 1.600 anos… Mas você ainda vê pessoas acreditando nele.

 

“Igreja não tem a capacidade de perdoar pecados mortais.”

Muitos não participam da Igreja com esse argumento. A ideia de que os pecados mortais não podem ser perdoados foram bastante difundidos por uma heresia conhecida como Montanismo do final do século 2, também conhecido como Heresia Frígia. Foi condenado já nos primeiros Sínodos Católicos.

Portanto, esse argumento foi refutado há uns 1.800 anos… Mas você ainda vê pessoas acreditando nele.

 

“O homem nasce moralmente neutro e pode chegar ao céu por seus próprios esforços”

A visão de que “o que importa é o esforço do homem” e que a graça de Deus é bem vinda, mas não é necessária para a salvação é difundida até hoje. Esta prática tem forte raiz no Pelagianismo, do século 5 que vem sendo condenado desde o Concílio de Éfeso.

Portanto, esse argumento foi refutado há uns 16 séculos… Mas você ainda vê pessoas acreditando nele.

 

“A devoção a imagens é um erro”

Trata-se de um esforço dos iconoclastas, como ficaram conhecidos os entusiastas deste movimento. Começou aproximadamente no século 8 e perdurou até ao século 9. Eles alegavam que era pecaminoso fazer estátuas ou pinturas de Cristo e dos Santos. Mesmo havendo exemplos bíblicos que provam que Deus mandou que se fizesse estátuas religiosas (Êxodo 25;18-20, 1 Crônicas 28;18-19 e Números 21,8-9).

Portanto, esse argumento foi refutado há uns 12 séculos… Mas você ainda vê pessoas acreditando nele.

 

“Não importa o que você faça, seu destino está traçado”

Por mais incrível que pareça, esse pensamento já foi muito difundido na França e na Bélgica, nos séculos 17 e 18 dentro da própria Igreja. Tudo isso fruto de uma interpretação de um Bispo Belga chamado Cornelius Otto Jansenius. Daí o nome desta heresia ser conhecida com Jansenismo. Desde 16 de outubro 1656, através da bula Ad Sanctam Beati Petri Sedem subscrita pelo papa Alexandre VII esta heresia foi encerrada.

Portanto, esse argumento foi refutado há uns 4 séculos … Mas você ainda vê pessoas acreditando nele.

 

“Deus não existe”

O ateísmo é uma realidade na sociedade relativistas que temos hoje, mas existem inúmeras formas da comprovação da existência de Deus, cunhadas pelos séculos. Desde antes de Cristo é possível achar preposições atribuindo à Deus – conforme nos foi revelado – ou a “natureza” a responsabilidade pela criação do mundo e dos seres. Até civilizações pagãs acreditavam que havia alguma força que justificam a criação. No século 13 São Tomás de Aquino apresentava as 5 vias pelas quais é possível chegar ao conhecimento racional de Deus. Isso não significa que a Igreja não acreditava na existência de Deus. Mas sim que através de argumentos racionais seria possível chegar a conclusão da sua existência. As vias são uma forma de provar, pela racionalidade humana, a existência de Deus, mesmo que você não tenha fé. Usando as 5 vias você chegará a uma conclusão lógica da existência de Deus.

Portanto, esse argumento foi comprovado racionalmente há uns 8 séculos… Mas você ainda vê pessoas acreditando nele. Se você quiser mais detalhes das vias e como elas funcionam, clique aqui

 

E seu amigo nas redes sociais se achando o “modernão” por ser ateu… Francamente.

Ajude-nos a Evangelizar. Compartilhe este post:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *